O Monitor de Angola

Loading...

O Monitor de Angola N°1, 2015 O Monitor de Angola aborda a política, economia, desenvolvimento, democracia e direitos humanos em Angola. Publicado trimestralmente pela Ação pela África Austral (ACTSA, sigla em inglês), também está disponível em inglês. Esta edição cobrirá: Política: Congresso do MPLA; Dia da Independência; Angola fortalece laços com os Estados Unidos e Portugal. Economia: Suspensão dos concursos de admissão para o setor público; Angola é percebida como o país mais corrupto da África austral; Banco Espírito Santo Angola é recapitalizado. Direitos humanos: Repressão a protestos; imigrantes presos, seguranças britânicos são absolvidos da morte de detento angolano. Ajuda e desenvolvimento: Desminagem; represa de Cunene. Esta edição também está disponível em inglês. Mensagens de nossos leitores são bem-vindas. Por favor envie os comentários para [email protected] Para mais notícias e informações sobre Angola e a África austral, visite o sítio do ACTSA: www.actsa.org.

Política MPLA realiza congresso extraordinário O partido governista MPLA realizou seu quinto congresso extraordinário no mês de dezembro, em Luanda. O congresso focou majoritariamente em questões internas do partido, nas preparações para eleições locais e nacionais além de ter servido de vitrine para o partido e o governo. Decisões mais significativas terão que esperar até o próximo congresso ordinário do partido que ocorrerá em 2016. O presidente José Eduardo dos Santos abriu o congresso que teve como lema “MPLA – Revitalizar as Estruturas para Fortalecer o Partido” e contou com a presença de quase 2.000 delegados, oriundos de 18 províncias. A cerimônia de abertura serviu para apresentar os avanços na área de infraestrutura enquanto que o presidente, durante seu discurso inaugural, focou nas conquistas históricas do partido. Ele reiterou sua decisão prévia de que sua sucessão não será discutida até o congresso de 2016. O presidente destacou os desafios enfrentados pelos jovens no tocante à educação e ao desemprego, falou ainda sobre o crescimento das mídias sociais ou “democracia direta eletrônica” e encorajou os delegados a divulgarem as mensagens do partido via internet. Nos últimos anos, o governo tem se preocupado com o aumento no número de protestos e críticas feitas por jovens pela internet. Ele também destacou o que vê como tarefas para o futuro: a preparação para o congresso ordinário de 2016, a estratégia para a eleição das lideranças, o manifesto eleitoral e a campanha para as eleições nacionais. O presidente também tentou rebater alegações de corrupção e práticas ilícitas contra quadros antigos do partido afirmando que o partido deve melhorar nessa área. Não há dúvidas que esta fala será usada pelo governo para demonstrar seu comprometimento com o combate deste problema. Comemorações do Dia da Independência No dia 11 de novembro, Angola celebrou o 39º aniversário da sua independência de Portugal. O vicepresidente Manuel Vicente liderou as comemorações em Catchiungo, cidade localizada na província de 1 308-312 Grays Inn Road, London, WC1X 8DP +44 (0) 2071860750 [email protected] www.actsa.org

Huambo que foi profundamente destruída durante a guerra civil. Manuel Vicente explicou que as comemorações ocorreram em Huambo devido a sua “história de resistência secular contra o colonialismo”. Alguns analistas acreditam que a escolha de Catchiungo deveu-se mais a uma demonstração de força do MPLA em uma região onde a UNITA é tradicionalmente forte. O presidente José Eduardo dos Santos permaneceu em Luanda. O Dia da Independência é um evento extremamente importante no calendário angolano e a ausência do presidente é bastante incomum. O vice-presidente disse: “Pretendemos que a província tenha mais energia, mais iluminação pública, água, educação, aumento da produção agrícola, obras públicas, indústria e transportes públicos”. Ele admitiu que devido à queda do preço do petróleo os progressos serão mais lentos do que o esperado. Manuel Vicente aproveitou a visita para inaugurar uma biblioteca, uma fábrica de bebidas e obras de um conjunto habitacional. Ele reiterou a promessa do governo de melhorar as condições de vida dos cidadãos mais vulneráveis e anunciou, ainda, que irá equipar um posto de saúde local e construir 200 casas para antigos combatentes. Laços entre Angola e Estados Unidos fortalecem-se No dia 17 de dezembro, o ministro das Relações Exteriores, George Chikoti, reuniu-se em Washington com o secretário de Estado americano, John Kerry, para discutir as relações com os Estados Unidos e o crescente papel internacional de Angola após sua eleição como membro do Conselho de Segurança em outubro. Durante a conferência de imprensa que se seguiu ao encontro, o secretário de Estado John Kerry elogiou o presidente José Eduardo dos Santos pela sua atuação na presidência da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos. “Em questão após questão, nossos interesses estão mais alinhados que nunca. Estamos trabalhando em parceria na questão de segurança marítima. Estamos combatendo a pirataria. Estamos trabalhando contra a pesca ilegal. Também estamos discutindo questões importantes como o tráfico humano” afirmou John Kerry. O encontro ocorreu no dia em que o presidente Obama anunciou a libertação dos membros do grupo dždždždždždždž conhecido como os “5 cubanos”. O governo angolano mantém há muito tempo boas relações com Cuba, que apoiou o MPLA na guerra contra o apartheid na África do Sul. Na conferência de imprensa após a reunião, Georges Chikoti recebeu positivamente a “decisão que o presidente Obama tomou hoje com relação às sanções contra Cuba para iniciar relações diplomáticas com o país, pois essa é uma batalha na qual estávamos em lados opostos.” John Kerry também falou sobre os esforços americanos para melhorar os direitos humanos em Cuba, mas não fez nenhuma referência aos direitos humanos em Angola. O comércio bilateral também estava na agenda. Angola é um grande importador de produtos americanos, além de ser um exportador de petróleo não beneficiado para os Estados Unidos. Apesar da redução das importações de petróleo nos últimos anos, devido ao desenvolvimento da indústria do petróleo de xisto nos EUA, os valores permanecem expressivos. John Kerry também expressou interesse em desenvolver os interesses americanos nos setores energéticos, de agricultura e infraestrutura de Angola. Um acordo de investimentos e comércio firmado anteriormente, em 2009, agora parece que será retomado em conjunto com empréstimos do banco Exim dos Estados Unidos. Laços entre Angola e Portugal também melhoram A visita a Luanda, em janeiro, de Rui Machete, ministro português dos Negócios Estrangeiros, pode marcar o início da melhora das relações entre os dois países. Após reunir-se com o presidente José Eduardo dos Santos, o ministro Rui Machete disse à imprensa que “Angola é indispensável para Portugal, tanto politicamente quanto economicamente.” Fora a União Europeia, Angola é o maior mercado exportador de Portugal: cerca de dez mil empresas portuguesas fazem negócios no país e cento e cinquenta mil portugueses trabalham lá. As relações entre os dois países têm sido tensas durante os últimos anos. Os grandes investimentos angolanos em diversas áreas da economia portuguesa são criticados pela mídia portuguesa, taxados de 2 308-312 Grays Inn Road, London, WC1X 8DP +44 (0) 2071860750 [email protected] www.actsa.org

“colonialismo às avessas”. Isabel dos Santos, filha do presidente José Eduardo dos Santos, é uma das maiores investidoras no país. Em 2013, a justiça portuguesa deu início a investigações para apurar uma série de denúncias publicadas pela imprensa portuguesa. Ministros e funcionários do governo angolano são acusados por lavagem de dinheiro. À época, o ministro Rui Machete tentou diminuir as denúncias, porém, quando foi acusado de enfraquecer o judiciário, desculpou-se por suas ações. Durante a última visita, o ministro Machete disse que os “mal-entendidos” haviam sido resolvidos. Nos últimos meses, Portugal tem se esforçado bastante para suprimir tensões através da realização diversas visitas governamentais. Em julho de 2014, o recém-empossado primeiro-ministro, Paulo Portas, escolheu Angola para uma de suas primeiras visitas internacionais. Na última visita foi firmado compromisso de aprofundar a colaboração entre os dois países. Existem planos para a criação de um observatório de investimentos com intuito de fortalecer o comércio entre os dois países. Discutem-se, ainda, maneiras de melhorar o sistema de vistos para portugueses com intenção de visitar ou trabalhar em Angola. Presidente Zuma visita Angola Após visitar a República da Guiné, o presidente sul-africano, Jacob Zuma, fez uma escala em Luanda para encontrar-se com o presidente José Eduardo dos Santos. Os dois presidentes se reuniram no palácio presidencial para discutir relações bilaterais e comerciais entre os países. O encontro também focou em temas como segurança regional e cooperação, incluindo o fórum trilateral entre Angola, África do Sul e República Democrática do Congo. O presidente Zuma pediu a criação de uma estrutura institucional permanente para coordenar este trabalho.

Economia Governo suspende concursos de admissão para o setor público No início de 2015, o Tesouro anunciou que não haverá concursos de admissão para o setor público neste ano e que contratos temporários serão suspensos. O anúncio foi feito pelo secretário de Estado das Finanças, Alcides Safeca, durante uma reunião sobre o orçamento de 2015. A suspensão dos concursos é entendida como uma reação à redução dos recursos governamentais causada pela queda do preço do petróleo. Se for levada adiante, a decisão poderá causar danos ao setor público e àqueles que dependem dele. O governo também exercerá cautela para evitar que a sociedade reaja de maneira hostil. Segundo o periódico estatal Jornal de Angola, os salários do setor público constituem 30% do orçamento de 2015. Índice de Percepção da Corrupção – Angola ocupa o 161º lugar entre 175 países No final de 2014, a organização internacional Transparency International publicou seu mais recente Índice de Percepção da Corrupção. Entre os 175 países avaliados pela pesquisa, Angola ficou na 161ª posição, a pior entre os países da África austral, abaixo do Zimbábue (156) e RDC (154). Angola recebeu uma avaliação de 19/100 (sendo 0 para o mais corrupto e 100 para o menos corrupto). O índice mede o quão corrupto o setor público de um país é considerado. Em 2013, Angola ficou na 153ª posição entre 177 países; e em 2012, em 157ª entre 174. O índice tem sido criticado por basear-se nas percepções de um número relativamente pequeno de pessoas envolvidas em negócios e especialistas em questões dos países. No entanto, o índice é o indicador de corrupção mais utilizado no mundo. Angola recapitaliza o banco BESA O Banco Nacional de Angola (BNA) anunciou planos para a recapitalização do Banco Espírito Santo Angola (BESA) que entrou em falência em agosto após o colapso de sua matriz portuguesa, Banco Espírito do Santo (O Monitor de Angola 3/14). 3 308-312 Grays Inn Road, London, WC1X 8DP +44 (0) 2071860750 [email protected] www.actsa.org

De acordo com o BNA, os acionistas incluem a estatal petrolífera Sonangol, a Geni Holdings Company, ligada à bilionária Isabel dos Santos, filha do presidente, e a Lektron Capital SA, empresa chinesa pouco conhecida. A Sonangol anunciou que investirá US$ 250 milhões no banco; o valor significa aproximadamente 35 por cento do total. A Geni Holdings terá uma participação de 20 por cento e a Lektron, de 35 por cento. O banco recapitalizado tem sido chamado de Banco Económico SA, mantendo as mesmas iniciais que seu predecessor. O Banco Espírito do Santo rejeita o acordo dizendo que “o BES considera que quaisquer decisões tomadas por acionistas presentes na reunião são inválidas e sem nenhum efeito, e que ações adequadas serão tomadas.” O colapso do BES ocorreu após a queda do império econômico da família Espírito Santo, fundadora do banco. Em 2013, o BESA foi o banco que mais emprestou em Angola, controlando 27% do mercado de crédito. Em maio de 2014, surgiram relatos que indicavam que o presidente José Eduardo dos Santos havia assinado o Despacho Interno nº 7 autorizando uma garantia de crédito de 5.7 bilhões de dólares “para proteger interesses fundamentais para o equilíbrio do sistema financeiro angolano.” Muitos levantaram dúvidas acerca da transparência do socorro financeiro ao BESA e uma série de perguntas ainda permanece. Quem retirou os empréstimos impagáveis e por que o estado pagou a conta? O socorro financeiro serviu para proteger os interesses de investidores ou para proteger membros da elite que detêm grandes investimentos no banco? A UNITA chama a situação de “caso de polícia”. Fundo Soberano investe em infraestrutura O Fundo Soberano de Angola (FSDEA) anunciou o lançamento de dois novos fundos. Um com recursos da ordem de 1.1 bilhão de dólares para as áreas de energia, transporte e grandes desenvolvimentos industriais; e outro com 500 milhões de dólares para o setor hoteleiro. Ambos os fundos serão dždždždždždždž investidos tanto na África subsaariana quanto internamente. O Fundo Hoteleiro para a África tem como objetivo “preencher a demanda significativa por uma capacidade gerencial hoteleira de padrões internacionais no continente africano”. O fundo é presidido pelo filho mais velho do presidente, José Filomeno dos Santos e, quando foi criado em outubro de 2012, tinha um saldo de cinco bilhões de dólares. Atualmente o saldo é de 4,95 bilhões de dólares. De acordo com o site FSDEA, o fundo “foi estabelecido em conformidade com as normas internacionais de governança e boas práticas”. Além do anunciado acima, não se sabe se o fundo já realizou investimentos expressivos. Foi criado, no entanto, uma unidade para explorar investimentos futuros. Bolsa de valores é inaugurada No dia 19 de dezembro, a Bolsa da Dívida e Valores de Angola (BIDIVA) foi inaugurada. Até então, Angola não possuía uma bolsa de valores. Ocorreram vários atrasos no estabelecimento da bolsa de valores. Inicialmente esperava-se que começaria a funcionar no início de 2008 e o tema tem estado na agenda durante os últimos dez anos. Leis que permitem sua operação foram adotadas em 2013. Em julho de 2014, Archer Mangueira, presidente da Comissão de Mercado de Capitais de Angola, disse ser improvável que a comercialização iniciasse antes de 2017. Ainda há dúvidas sobre quantas empresas reunirão os requisitos necessários para poderem ser admitidas à cotação, que incluem a publicação de suas contabilidades.

4 308-312 Grays Inn Road, London, WC1X 8DP +44 (0) 2071860750 [email protected] www.actsa.org

Sonangol faz acordo de empréstimo com o Banco de Desenvolvimento da China A estatal petrolífera Sonangol assinou um contrato de empréstimo com o Banco de Desenvolvimento da China no valor de dois bilhões de dólares, por um período de dez anos, para exploração e refinamentos de petróleo, investimento em habitações e outros projetos de capital. A queda dos preços mundiais do petróleo reduziu os lucros da Sonangol e este empréstimo provavelmente será necessário para assegurar que projetos como a construção da nova refinaria em Lobito e a compra de dois novos petroleiros possam ser levados adiante. Angola já adquiriu diversos empréstimos com o Banco de Desenvolvimento da China. A Sonangol também contraiu um empréstimo de 1,3 bilhão de dólares em 2013. O último acordo de empréstimo foi assinado em Pequim pelo presidente da Sonangol, Francisco de Lemos José Maria, e pelo presidente do Banco de Desenvolvimento da China, Zheng Zhijie, no dia 12 de dezembro. Governo leva adiante esforços pela diversificação econômica Os esforços de Angola para diversificar sua economia, muito dependente dos hidrocarbonetos, tornaram-se ainda mais importantes nos últimos meses devido à queda global do preço do petróleo. Várias zonas industriais têm sido desenvolvidas com o intuito de impulsionar a manufatura e a produção doméstica. Melhorias na malha ferroviária e avanços planejados para a malha rodoviária poderão auxiliar o país a distanciar-se da dependência de produtos importados. Nos dias 20 e 21 de novembro, o Instituto de Desenvolvimento Industrial de Angola (IDIA) recebeu a primeira Expoindústria, evento criado para divulgar a manufatura angolana. O governo também está empenhado em maximizar sua arrecadação e aumentar o número de postos de trabalho a partir da elevação do valor agregado dos produtos nacionais. Um exemplo é a produção de diamantes e jóias. No final de 2014, durante a Feira Internacional de Minas, Carlos Sumbula, presidente da estatal do setor de diamantes, Endiama, anunciou a criação de uma nova empresa de lapidação de gemas e joalheria. Além da planta de lapidação de diamante recentemente reaberta em Luanda, o governa planeja abrir outra em Lobito. A indústria do diamante é uma fonte crescente de recursos para o governo. Apesar de Angola deter a presidência do Kimberley Process (esquema que busca restringir o comércio de diamantes oriundos de zonas de conflito), o setor de diamantes do país continua a ser frequentemente acusado de abusos contra os direitos humanos. Em uma tentativa de reduzir ainda mais a dependência por produtos importados, em janeiro o governo anunciou que irá impor cotas de importação a uma série de produtos, incluindo alimentos e bebidas, uma vez que o país atualmente está habilitado a suprir 60% da demanda interna. Com o aumento do suprimento interno, as cotas serão reavaliadas pelos ministros do Comércio, Transporte, Indústria, Agricultura, Pescas e pelo Banco Nacional de Angola. O cimento tem sido um dos produtos mais importados por Angola, porém restrições impostas nos últimos meses reduziram as importações. O governo acredita que Angola produz cimento suficiente para suprir sua demanda. De acordo com o ministro da Construção, Waldemar Alexandre Pires, Angola produz anualmente cerca de oito milhões de toneladas de cimento enquanto a demanda do país é de cerca de 6.5 milhões de toneladas. Maiores restrições adotadas no início de janeiro irão banir a importação de cimento para todas as províncias com exceção de Cunene e Cabinda, na porção norte do país, e Kuando Kubango, no sul. Estas províncias mais remotas terão permissão para importar cotas de 150 mil toneladas devido a sua dependência histórica por produtos importados. Ainda não se sabe qual impacto as restrições causarão no preço do cimento. No entanto, as medidas irão incrementar o mercado de cimento nacional que é em grande parte propriedade de investidores estrangeiros. 5 308-312 Grays Inn Road, London, WC1X 8DP +44 (0) 2071860750 [email protected] www.actsa.org

Corte dos subsídios para combustíveis Os preços do diesel e da gasolina subiram em Angola no começo de dezembro uma vez que novos cortes nos subsídios para combustíveis passaram a valer. Enquanto o valor global do petróleo caiu em até 40 por cento no final de 2014, os preços da gasolina e do diesel aumentaram 20 por cento em Angola. A sociedade civil e partidos de oposição criticaram os cortes que ocorreram apenas três meses após os cortes de subsídios de setembro, que também levaram a um aumento de 20 por cento nos preços. Teme-se que a redução dos subsídios levará a um aumento da inflação. O FMI há muito tempo pede o fim dos subsídios para combustíveis. Argumenta-se que os preços dos combustíveis em Angola estão entre os mais baixos do mundo e que 80 por cento do combustível refinado é consumido pelos 40 por cento mais ricos da população. Isto deve-se parcialmente ao fato de que aqueles que podem pagar pelo combustível possuem geradores a diesel, uma vez que o fornecimento de eletricidade não é confiável. Contudo, não há dúvidas de que o impacto do aumento dos preços dos combustíveis será mais sentido pelos lares mais pobres. Governador do Banco Central renuncia No dia 15 de janeiro, José de Lima Massano renunciou ao cargo de governador do Banco Nacional de Angola (BNA). Seu sucessor é o antigo ministro das Finanças, José Pedro de Morais Júnior. A renúncia do governador não era esperada, particularmente em um momento no qual o país enfrenta uma série de desafios econômicos como a recapitalização do BESA, a queda dos preços do petróleo e cortes dos gastos públicos. José Pedro de Morais Júnior já exerceu vários cargos de alto escalão na área econômica. Em 1994, ele foi nomeado chefe do Ministério do Planejamento e Coordenação Econômica. Posteriormente ele assumiu o posto de representante de Angola no Banco Mundial e no Fundo Monetário Internacional. Em 2002, ao final da guerra civil, tornou-se o ministro das Finanças, gerenciando a política econômica do país durante um período de rápido crescimento. Em 2008, renunciou ao cargo e mudou-se para Miami. O período de José Pedro de Morais Júnior como ministro das Finanças foi criticado por alguns pela falta de transparência das finanças públicas.

Direitos Humanos Ministro alerta contra protestos O dia 22 de novembro marcou o primeiro aniversário da morte de Manuel Ganga, membro do partido de oposição CASA-CE. Antes da procissão que marcaria o primeiro aniversário de sua morte, Ângelo de Barros Veiga, ministro do Interior, pediu que as forças de segurança “intensificassem a vigilância” para assegurar a lei e a ordem. O ministro ainda alertou a existência de “esforços velados” para derrubar a democracia. Seus comentários foram publicados na primeira página do periódico estatal Jornal de Angola. Manuel Ganga foi detido pela Guarda Presidencial após distribuir panfletos durante uma manifestação. Ele foi alvejado ao supostamente tentar escapar da detenção e morreu no hospital. Na época, a polícia disse que o grupo estava distribuindo “panfletos de propaganda subversiva e ofensiva” e “violando o perímetro de segurança do palácio presidencial”. Ninguém foi indiciado por sua morte. No dia 22 de novembro, uma procissão liderada pela família de Manuel Ganga e por membros da CASA-CE foi realizada em Luanda. No dia seguinte, um grupo de jovens tentou promover uma manifestação na Praça da Independência pedindo a renúncia do presidente José Eduardo dos Santos. A polícia isolou a praça e deteve várias pessoas. Alguns manifestantes alegam terem sido agredidos e 6 308-312 Grays Inn Road, London, WC1X 8DP +44 (0) 2071860750 [email protected] www.actsa.org

fotografias dos ferimentos circulam pela internet. Uma mulher disse ao blog Maka Angola que foi detida quando tentava filmar a polícia. Ela afirma ter sido levada a uma escola, agredida e torturada. Mais tarde, a mulher foi encontrada em frente à União dos Escritores Angolanos e levada ao hospital. Polícia de Luanda prende 2.100 imigrantes No fim de dezembro, a Polícia Nacional (PN) em Luanda prendeu 2.100 imigrantes estrangeiros, acusando-os de estar no país ilegalmente. Grupos defensores dos direitos humanos, incluindo a Federação Internacional de Direitos Humanos (FIDH), criticaram a ação. Segundo a imprensa, entre os detidos estavam pessoas da República Democrática do Congo (RDC), Congo, Senegal, Mali, Guiné, Guiné Bissau, Portugal, Vietnã e China. A maioria dos chineses detidos foi liberada após intervenção da embaixada chinesa. O governo e a PN têm sido bastante críticos aos imigrantes irregulares. Paulo de Almeida, segundo comandante-geral da PN, alega haver 500 mil imigrantes ilegais em Angola. Ele fez referência a uma “invasão silenciosa” e “limpeza” do país. Imigrantes são comumente usados como bodes expiatórios de crimes pelo governo e pela mídia oficial. Nos primeiros nove meses de 2014, 38.500 pessoas foram deportadas do país. As autoridades são acusadas de focar em muçulmanos da África Ocidental. Há relatos de que funcionários da imigração cercaram mesquitas no dia 19 de dezembro. A maioria dos imigrantes em Angola é da RDC, muitos deles trabalham informalmente na mineração de diamante. Grupos de direitos humanos acusaram a polícia de submeter pessoas a tratamentos cruéis e desumanos. De acordo com a FIDH, as autoridades prenderam três mil pessoas em dez dias - muitas foram levadas a um centro de detenção em Trinita, a cerca de 30 km de Luanda. A FIDH alega que algumas delas foram privadas de comida e água. A FIDH tem apelado ao governo para que pare com as prisões arbitrárias de imigrantes, feche o centro de detenção de Trinita, investigue violações aos direitos humanos, e que assine e retifique as convenções da ONU sobre tortura e direitos de imigrantes. Ʋ㑆

Seguranças britânicos são absolvidos no caso da morte de deportado angolano Três seguranças privados foram inocentados por um tribunal em Londres das acusações de assassinato de Jimmy Mubenga, angolano que estava sendo deportado. No dia 12 de outubro de 2010, Jimmy Mubenga seria deportado para Angola em um voo da British Airways. Os três seguranças que trabalhavam para a empresa de segurança G4S estavam contratados pelo governo britânico. Eles foram acusados de cometer homicídio culposo ao segurar o angolano, forçando sua cabeça para baixo e assim impedir sua respiração. Vários passageiros afirmaram terem ouvido Jimmy Mubenga gritar “eu não consigo respirar”. Grupos de direitos humanos pediram uma revisão do sistema de deportação britânico. Um porta-voz da Anistia Internacional disse: “nós simplesmente não sabemos quais dessas (técnicas) ainda são usadas ou se o governo britânico tem realmente cumprido suas promessas de introduzir métodos e treinamento novos e mais seguros.” Um inquérito sobre o caso, realizado em 2013, concluiu que se trata de uma morte ilegal.

Assistência e Desenvolvimento Remoção de minas Duzentos hectares de terras desminadas em Lucala, na província de Kwanza Norte, foram entregues pelos militares ao governo provincial. A área será usada para a construção de um centro industrial. Quatro minas anti-tanque, 124 minas não detonadas e 110 itens de munição estiveram entre os itens 7 308-312 Grays Inn Road, London, WC1X 8DP +44 (0) 2071860750 [email protected] www.actsa.org

removidos pela brigada de desminagem das forças armadas e pelo Instituto Nacional de Desminagem (INAD). As forças armadas ainda irão desminar uma área de 150m2. Outros 45.689m2 serão desminados pela Associação dos Profissionais Angolanos de Ação Contra Minas (APACOMINAS) no município de Bailundo, província de Huambo. 3.908 itens de munição, uma mina e 18 artefatos não-detonados foram retirados de áreas em Kalique e Bimbe. As áreas serão utilizadas para agricultura. Outras operações de desminagem foram atrasadas devido a fortes chuvas. Amplas áreas de Angola foram transformadas em campos minados durante a guerra civil. Apesar de avanços com relação à desminagem, artefatos não-detonados e minas terrestres continuam a apresentar riscos para as comunidades e impedir o cultivo de enormes áreas de solo fértil. Angola é signatária da “Convenção sobre a Proibição do Uso, Armazenamento, Produção e Transferência de Minas Antipessoais e sobre a sua Destruição” e compromissou-se a acabar com as minas terrestres antipessoais até janeiro de 2018. Construção da barragem de Cunene começa em 2015 A construção da usina hidroelétrica no rio Cunene, planejada pelos governos de Angola e da Namíbia, deve ser iniciada em 2015. O projeto depende de financiamento e de um estudo de viabilidade. A barragem de 200 metros de altura demorará aproximadamente sete anos para ser construída e custará 1,37 bilhões de dólares. Calcula-se que sejam produzidos 600 megawatts para Angola e Namíbia. A barragem irá produzir um reservatório de 64 km e terá uma rodovia ligando Angola e Namíbia. Até o momento, 30 por cento dos fundos necessários foram assegurados pelos dois países. Os outros 70% serão buscados em fontes internacionais. As matérias do Monitor de Angola não representam necessariamente qualquer posição acordada pelo ACTSA.

dždždždždždždž

8 308-312 Grays Inn Road, London, WC1X 8DP +44 (0) 2071860750 [email protected] www.actsa.org

Loading...

O Monitor de Angola

O Monitor de Angola N°1, 2015 O Monitor de Angola aborda a política, economia, desenvolvimento, democracia e direitos humanos em Angola. Publicado tri...

177KB Sizes 5 Downloads 20 Views

Recommend Documents

Política O Monitor de Angola
May 15, 2016 - estimou que o preço do petróleo seria de 45 dólares quando definiu o orçamento para 2016. O país sofre co

Portal de Angola | Notícias de Angola – Toda a informação sobre
SIC apresenta resultados preliminares do assassinato de Biatriz e Jomance ... Angola e RDC encerram primeira volta do ap

Portal – Bancos de Angola
Veja aqui tudo sobre Bancos de Angola, Lista de Bancos, Notícias, artigos, etc..

Jornal de Angola - Online
Artigos. O antes e o depois na ciência política · Adebayo Vunge | (*). Artigos. Comparticipação dos cidadãos nos serviço

Banco Nacional de Angola
Supervisão. Processos e Metodologia · Indicadores do Sistema Financeiro · Relatório de Supervisão · Instituições Finance

resultados preliminares - Embajada de Angola
Reprodução autorizada, excepto para fins comerciais, com Indicação da fonte bibliográfica. © INE. Luanda, Angola – .....

Monitor LCD de Acer
otro tipo, sin consentimiento por escrito de Acer Incorporated. Número de ... Después de establecer el nivel de volume

Ordem dos Farmacêuticos de Angola
Nos termos do número 2 do artigo 23º dos estatutos da Ordem dos Farmacêuticos de Angola (OFA), a sua Presidente de Mesa

Bibliographie de l'archéologie de l'Afrique Centrale : Angola
ALMEIDA (A.) et FRANCA (C.), 1954, Préhistoire de l'Angola, Actes du Congrès International de pré et protohistoire, Madr

angola - FIDH.org
governação, exploração de diamantes e petróleo, direito à habitação e corrupção, bem como à .... 7. Consultar Programa d

Hereditary 2018 BluRay Remux 1080p AVC DTS-HD MA 5 1-TDD | Misja: epidemia / Medical I... | Horreur-Epouvante